Conecte-se com

Música

Gal Costa lança canções de Fábio Jr. e da banda Maglore como dois primeiros singles de “A Pele do Futuro Ao Vivo”

Publicado

em

Antecipando o ”, lança entre maio e junho, pela Biscoito Fino, dois videoclipes com canções que nunca havia gravado. Captados ao vivo, os filmes têm direção de Rafael Gomes, premiado pelas montagens mais recentes de “Um Bonde Chamado Desejo” e “Gota d’Água”.

No dia 17 de maio, chega às plataformas digitais a faixa “O que É que Há”, hit de Fábio Jr. em sua primeira fase. Parceria do cantor com Sérgio Sá, a canção foi lançada originalmente no álbum “Fábio Jr.”, de 1982. A versão ao vivo de Gal, um dos momentos mais catárticos do show “A Pele do Futuro”, tem apenas a voz da cantora e o piano de Chicão. Para o lançamento do dia 17, a faixa ganhou cordas de Felipe Pacheco Ventura, da banda carioca Baleia – mesmo autor do arranjo de cordas do álbum “A Pele do Futuro”.

Em junho, Gal lança “Motor”, blues-rock-balada escrito por Teago Oliveira, vocalista da jovem banda baiana Maglore. A música foi lançada originalmente pela Maglore no álbum “Vamos pra Rua” (independente), de 2013. Gal se identificou especialmente com a canção por ver uma relação entre “Motor” e o clássico “Vapor Barato” (Jards Macalé/ Waly Salomão), lançado por ela em 1971. A versão de Gal tem Pedro Sá na guitarra, Pupillo na bateria, Chicão no teclado, Lucas Martins no baixo e Hugo Hori no sax.

As gravações dos dois singles aconteceram nos dias 22 e 23 de março, na Casa Natura Musical, em São Paulo. “O que É que Há” foi registrada à tarde, sem a presença da plateia, o que lhe rendeu características de gravação em estúdio. “Motor” foi registrada durante o show, com o público fervendo. O áudio do show foi gravado e mixado por Duda Mello, o mesmo que cuidou de “Estratosférica ao Vivo” (2017).

Com direção geral de Marcus Preto e direção musical de Pupillo, o show “A Pele do Futuro” estreou em dezembro de 2018, em São Paulo. E segue em turnê.

As edições completas de “A Pele do Futuro ao Vivo”, em CD e DVD, chegam ao público em setembro pela gravadora Biscoito Fino.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Música

Kell Smith lança clipe em tom lúdico para o single “Mudei”

Publicado

em

Kell Smith acaba de lançar o clipe de “Mudei”, canção disponível nas plataformas digitais de áudio há menos de um mês pelo Midas Music, gravadora do produtor e empresário Rick Bonadio. Assista ao clipe aqui. 

Simbolizando de maneira lúdica a metamorfose da borboleta, o clipe, dirigido por Kenny Kanashiro e Jô Pires, mostra Kell em diferentes panos e texturas, como se estivesse dentro de um casulo, até o momento em que finalmente se liberta, transformando-se em borboleta.

Kell conta um pouco mais sobre como a mensagem do clipe dialoga perfeitamente com a letra da música.

— Mudei fala sobre o difícil processo de transformação, por isso usamos a borboleta como referência, sobre o quão doloroso é o processo do casulo, sobre a pressão que a mudança exerce. Aí, de repente, você experimenta da liberdade quando se permite passar por todas as fases e não pula nenhuma. Por mais que ninguém goste de estacionar no sofrimento, que você tenha o olhar atento para entender o que ele quer te ensinar para, assim, ter liberdade de sair dele. Com sensibilidade e tom lúdico, o clipe passa toda essa transformação e aceitação da mudança, esse ressignificar que é tão importante.

Ficha Técnica:
Direção: Kenny Kanashiro, Jô Pires
Coordenação de produção: Ana Yamada Motta
Produção de SET: Ana Yamada Motta
Direção de Fotografia: Kenny Kanashiro
Direção de arte: Helena Dib, Lueli Marks
Iluminação: Ronaldo Macalé, Vagner Figurino, Carine Cedraschi
Maquiagem: Luinor Miranda
Edição e Finalização: Elizeu Zeferino
Coloração: Vinícius Oliveira

Continue Lendo

Música

Danças urbanas invadem os palcos e causam revolução na forma de dançar funk

Publicado

em

Reprodução / MF Press Global

Grandes nomes do funk e do pop como Anitta, MC Kevinho e Nego do Borel vem trazendo para os palcos bailarinos com uma forma diferenciada de dançar o ritmo mais popular do Brasil. Tainá Grando, a coreógrafa mais cotada do momento na cena do funk, explica como esse estilo de dança conquistou o público.

“O que a gente faz é ir além do passinho e do quadradinho, sem perder a essência do que é o funk. Eu acrescento influencias vindas do jazz funk, do hip hop, movimentação de braços do Waacking, e isso é diferenciado, impressiona a galera e conquista o público”.

No Brasil, a influência das danças urbanas no funk e no entretenimento tem crescido muito. A coreógrafa Tainá Grando é uma das responsáveis por trazer estes elementos para os palcos e para os clipes : “Eu estou amando que as danças urbanas estão crescendo e também poder trazer isso para o funk. Lá fora em clipes antigos da Beyonce e do Justin Timberlake você vê que já se usava muito dessas danças urbanas, da movimentação. Eu comecei no balé, depois fui pra dança de salão, tanto que o trabalho que eu faço com o Sidney Magal é de dança de salão, mas me encontrei nas danças urbanas. A depender do estilo eu posso ser o que eu quiser, assumir uma personalidade pela dança”.

Tainá aponta que as danças urbanas são diversificadas, abrangentes e inclusivas e se encaixam em todos os estilos: “quem gosta de dançar mais pesado ou mais swag vai dançar, quem gosta de krumping também, quem quer dançar no salto também tem seu lugar. Nas danças urbanas todas as tribos são bem vindas. Hoje a indústria do entretenimento está dando cada vez mais importância à dança e gosto de trabalhar com aqueles que estudam e entendem essa linguagem”.

Além da coreógrafa, outros profissionais tem se inspirado a trazer novos elementos para os trabalhos, o que na opinião de Tainá é muito positivo: “Eu fico muito feliz de ver amigos meus que estudamos juntos que eu vejo coreografando outros artistas e crescendo no entretenimento. Tem espaço para todos. Cada artista se identifica com um coreógrafo, um estilo, etc. Tenho amigos que trabalham com a Iza, Anitta, Ludmilla e outros MCs e vejo que isso só agrega para o pessoal da dança, como eu, que vivem da arte”.

Continue Lendo

Música

“Os Filhos do Rei” é a nova dupla sensação da música sertaneja gospel no mercado nacional

Publicado

em

Por

A dupla “Os Filhos do Rei” é a sensação da musica sertaneja gospel no Brasil, e esta matéria vai retratar a historia na musica nacional e também, divulgar os seus novos projetos na imprensa brasileira, que acabou de fechar um contrato com uma agência de assessoria de imprensa, no segmento de celebridades, personalidades e artistas.

Somos de uma cidade chamada Igarassú – PE  Nascidos em uma família simples de 8 irmãos. Jeny – Jenildo – Genilson – Genilda – Geane – Gilvani – Junior  – Midian. criados desde cedo nos ensinamentos do caminho do Senhor. Quando criança, cantávamos em grupos infantis da igreja, crescemos louvando a Deus. Nossos Pais Pastor Jerônimo e Missionária Maria Luiza sempre nos falavam. Louvem a Deus em todo tempo. nossa querida mãe mulher de Deus. Mulher essa que Deus sempre usou pra nós, pra nos abençoar. Um exemplo de Esposa, Mãe, amiga, guerreira temente a Deus.

Hoje, quando penso em tudo o que passamos pareço não acreditar, para chegar até aqui. Só Deus que promete e cumpre com sua promessa. Hoje nem parece  quase 30 anos de carreira, quantas dificuldades e muitas histórias para contar.

Minha carreira com meu irmão Genilson iniciou em um conjunto chamado ( Os voluntários de Cristo) ainda muitos jovens eu convidei o Genilson pra cantar comigo músicas dos cantores. Canarinhos de Cristo. Irmãos Levitas. Tony e Tito. Zé Marco e Adriano. E outros.

Depois de alguns anos tivemos a oportunidade de fazer a nossa primeira gravação que era em fita K7. ali nascia o nosso primeiro sonho com o passar dos anos tivemos que trabalhar numa empresa chamada de Janga S/A uma empresa que Deus abriu as portas pra nós. Éramos operadores de máquinas eu trabalhei nessa empresa por 5 anos e 4 meses até que pra Deus poder cumprir a promessa nas nossas vidas teve que fechar as portas lá. Eu não reclamei pois sabia dos planos de Deus nas nossas vidas. Foi aí que surgiu a oportunidade de cantar no programa chamado caça talentos, em uma rádio do Recife, com locução do radialista Jobby Silva, um grande amigo, sempre incentivando a dupla. Ganhamos por várias semanas em primeiro lugar, foi quando surgiu a oportunidade de gravar o nosso primeiro CD o CD Volta pra mim com a regência do maestro Rerivaldo Lira, do Studio Re – Nascer.

Em 2003 tomei uma decisão, vim para São Paulo de carona em um caminhão. deixando para trás minha mãe, filhos parentes e o Genilson em Pernambuco.

Cristo me confortava e eu tive forças para me separar de minha família por este tempo; Qual era meu anseio? Receber meios para levar a palavra do Senhor e o Evangelho, através do louvor, é fato que a todos a quem a palavra de vitória é lançada e aceitam Jesus como único e suficiente salvador podem ser bem sucedidos em tudo que fazem, e eu tinha de tomar posse da benção e de todo o plano revelado em meu coração, de um ministério vitorioso!

Cantei por várias igrejas levando a palavra de Deus em minhas canções e enfrentando muitas dificuldades. Certo dia, recebi a ligação de meu irmão Genilson que manifestou a vontade de vir ao meu encontro. Juntos como quando crianças ֽ começamos uma maratona para a divulgação de nosso trabalho, mas não encontrávamos o apoio necessário muitos não acreditavam em nós. Cantávamos em uma Rua de São Paulo, a Conde de Sarzedas, conhecida por ser um pólo do comércio evangélico, ali cantei muitas vezes na calçada com o meu irmão, e um violão nas mãos, apesar de morarmos em um país democrático e hospitaleiro alguns não gostam do ritmo sertanejo como também do que a música evangélica fala então éramos humilhados.

Levados por um pastor que é nosso amigo, o Francisco, até a Igreja Mundial do Poder de Deus, fomos por ele avisados da prioridade da IMPD, a palavra, a oração, existe um povo que clama pelo favor de Deus a espera de um milagre, conseguir ir ao altar e cantar como uma apresentação é difícil, então fomos sem a intenção de cantar. Eu queria era conhecer pastores poder cantar nas igrejas. Encontramos ali o tecladista, hoje cantor da Banda Mundial Rogério Bonacuore que gostou de nosso trabalho, perguntou nossas origens e nos convidou a voltar no dia seguinte, para cantar, oh Glória! de tanta felicidade distribuímos uns cem CDs, nossa alegria era tamanha que, naquela noite não dormi.

Fomos pela terceira vez a IMPD, neste dia a reunião era com o Apóstolo Valdemiro Santiago. No final da reunião corri atrás dele, e para meu espanto ele me olhou e perguntou cadê o outro? chamei prontamente meu irmão, e o apóstolo nos fez um pedido que cantássemos para ele ouvir ali naquele momento, cantamos com nosso coração cheio de esperança e Fé, ele olhou pra gente e disse: venham cantar na reunião de domingo! Era o inicio de nossa trajetória na IMPD.

Nossa Igreja mãe através da IMPD tivemos o privilégio de viajar o Brasil inteiro por várias vezes. Durante 10 anos cantamos para milhões de pessoas em eventos pelo Brasil e o mundo e através da TV e rádios. Viajamos por vários países como África do Sul, Moçambique, Argentina, Paraguai, Angola, Portugal, Estados Unidos e Japão. Mais de 1.5 um milhão e meio de cds vendidos.

 

A discografia até o momento é:

1- CD Volta pra mim

2- CD A mão de Deus

3- CD Eh Deus poderoso

4- As drogas matam

5- CD Mais que vencedor

6- CD O encontro

Continue Lendo
Publicidade

Facebook

Publicidade

Eventos

Próximos eventos

  1. Natiruts faz mega show no Espaço das Américas

    maio 24 @ 21:00 - 23:00
  2. Show do Sérgio Reis em Jacareí (SP)

    maio 24 @ 21:00 - 23:30
  3. Slash ft. Myles Kennedy e The Conspirators chegam ao Espaço das Américas

    maio 25 @ 19:30 - 22:30
Publicidade

Destaque

Pular para a barra de ferramentas