Conecte-se com

Pets

Resorts Pet Friendly: Uma oportunidade de não deixar seu animalzinho para trás

Publicado

em

Recentemente, dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) comprovaram que existem mais famílias com de estimação que com filhos. Isso explica o motivo dos pets estarem cada vez mais incluídos em participar das atividades familiares. Mas quem nunca passou pela situação de viajar e ter que deixar o animalzinho em um especializado, com amigos ou familiares? Pensar nisso, muitas vezes é um problema para os “pais” dos pets.

Com o objetivo de atender cada vez melhor os seus hóspedes, os associados da Resorts Brasil se modernizam para receber os animais com muito carinho e conforto.

Um dos principais resorts do estado do Rio de Janeiro, o Le Canton, recebem os pets com o ‘kit dog’, que inclui pote para ração e caminha. Eles devem ficar acomodados no quarto do hóspede, mas podem circular pelas áreas sociais. Os bichinhos devem chegar no colo ou em uma bolsa, para a melhor comodidade dos mesmos.

Já no La Torre Resort, localizado na belíssima Praia do Mutá, em Porto Seguro (BA), é Friendly e conta com amplos espaços para receber bem as famílias e seus companheiros. Atualmente, o resort conta com uma área de 30.000 m², com muito paisagismo e integração com a natureza. Os apartamentos possuem 120 m² e as Vilas até 180m² que garantem conforto e comodidade a todos.

No  Resorts, localizado em Campinas (SP), disponibilizam caminha, comedor e bebedouro e tapete higiênico para o maior conforto do cãozinho. Além disso, contam com um gramado chamado Kata Kuka, possibilitando que o animal também se divirta. “Notamos uma demanda cada vez mais frequente por resorts que aceitam animais. Por conta disso, em 2016, resolvemos abrir as portas para cães de até 10 quilos. Além disso, pensamos sempre na comodidade e bem-estar do hóspede, pois sabemos que há um receio grande em deixar o pet com terceiros para viajar. Portanto, permitimos que o cliente traga o animalzinho e, consequentemente, aproveite sua estada com a cabeça tranquila”, comenta Sandra Neumann, Diretora Geral do Royal Palm Plaza Resort.

Ao perguntarmos o porquê dessa aquisição, os resorts mostram que, para eles, é muito importante dar essa oportunidade aos hóspedes.  “É uma questão de sensibilidade com nosso hóspede e a tendência é que iremos aumentar os espaços abertos aos pets”, informou o diretor geral do La Torre Resort, Luigi Rotunno.

Diferenciais e ressalvas sobre esse tipo de

Le Canton- aceita pets de até 15 quilos e é cobrada uma taxa de R$50 por dia, com limite de um animal por apartamento.

La Torre Resort- Os bichinhos de estimação com peso máximo de 10kg e com a carteira de vacinação em dia são muito bem vindos.

Royal Palm Plaza Resort– São permitidos apenas cães com até 10 quilos e maiores de 3 meses, nas categorias de quarto Luxo e Super Luxo. Também é necessário que eles estejam com todas as vacinas em dia. É cobrado R$220,00 + 5% ISS por diária, que estão incluídos a higienização do apartamento após a saída e o empréstimo dos itens.

Sobre a Resorts Brasil – Associação Brasileira de Resorts: a Associação Brasileira de Resorts (ABR) foi fundada em 2001 da iniciativa de 14 dos melhores resorts do Brasil, que se uniram para identificar, avaliar e discutir as oportunidades de desenvolvimento de capacitações, pesquisas de mercado, perfil do consumidor e importantes projetos no trade, a fim de apontar um cenário do desempenho dos resorts e indicar tendências para o segmento. Hoje, a ABR reúne 53 empreendimentos hoteleiros de alto padrão da categoria resort em todo o País, e atua em diversas frentes para o fortalecimento do segmento entre o mercado turístico e o público em geral. Os hotéis associados são certificados pela entidade e podem ser conferidos no site da ABR. Eles oferecem atrativos para um amplo leque de perfis de viajantes – famílias, casais, público jovem, melhor idade, etc. – seja na praia, no campo, em regiões de termas e refúgios ecológicos.

Site: www.resortsbrasil.com.br.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pets

Você sabe o que é a Ceratoconjuntivite Canina?

Publicado

em

Ressecamento da córnea pode atingir cães de todas as idades e tende a levar à cegueira se não diagnosticado a tempo

São Paulo, junho de 2019 – Apesar de ser pouco conhecida entre os tutores de pets, a Ceratoconjuntivite Seca Canina é uma doença comum entre os cães, que podem desenvolver o problema em qualquer fase da vida. Trata-se do ressecamento da córnea e da conjuntiva, causado pela diminuição da produção de lágrima. O problema pode se manifestar em qualquer cão, mas os das raças Cocker Spaniel Americano, Schnauzer miniatura, Pug, Buldogue Inglês, Yorkshire Terrier, Pequinês, West Highland White Terrier, English Springer Spaniel, Samoyeda e Shih-tzu são mais propensos a desenvolvê-lo.

Entre os principais sintomas estão coceira, incômodo, secreção ocular e olhos vermelhos. Por serem semelhantes aos sinais de conjuntivite, muitas vezes o seu diagnóstico pode ser tardio, o que dificulta o tratamento. Segundo Marcio Barboza, gerente técnico MSD Saúde Animal, quando não tratada, a doença causa pigmentação da córnea – que fica com manchas escuras – e pode levar o cão a cegueira.

Herança genética, trauma na região dos olhos, botulismo, carência de vitamina A, doenças autoimunes e distúrbios endócrinos são alguns dos fatores que podem contribuir para o desenvolvimento da Ceratoconjuntivite Seca em cães. A forma mais eficaz de garantir o diagnóstico precoce é submetendo o seu cãozinho a check-ups regulares com um médico veterinário, que pode indicar o melhor tratamento ainda na fase inicial da doença.

“O diagnóstico da doença pode ser feito por meio de exame oftálmico realizado por um médico veterinário. O teste da lágrima é o mais comum nesses casos”, afirma Marcio que complementa “hoje o mercado já disponibiliza alternativas de tratamento tópicos rápidos e eficazes, que não atrapalham a rotina do cão”.

Alguns cuidados com os olhos

Alguns cuidados com os olhos do seu pet devem fazer parte da rotina de todos os tutores. Abaixo Marcio lista alguns deles:

  • Limpeza diária: sabe aquela sujeirinha que vai acumulando ao longo do dia no canto dos olhos do animal? Tente retirá-la suavemente todos os dias, de preferência com um pano de algodão.

  • Nada de pelo nos olhos: pets com pelos longos devem ter a região dos olhos tosada adequadamente para que a região não fique irritada. Para aqueles que demoram entre uma tosa e outra, o indicado é que o pelo da região seja preso em um rabinho no topo da cabeça.

  • Evite deixar o pet na janela do carro: embora seja fofo, deixar o seu animal andar com a cabeça de fora da janela nos passeios de carro pode causar ressecamento e danos à córnea do pet com o tempo. O mesmo vale para ventos causados pelo uso de secadores de cabelo, que não devem ser usados diretamente na face do animal.
Continue Lendo

Pets

Como evitar que seu pet adoeça com a chegada do outono?

Publicado

em

*Por René Rodrigues Júnior

No próximo dia 20 de março se inicia o outono, que tem como característica a queda da temperatura e ar mais seco, por conta da baixa umidade.  Assim como os seres humanos, os também podem sofrer com a mudança do clima. As principais doenças que acometem os cães no outono são as articulares, que afetam a coluna e a osteoartrite, conhecida também como artrose, além de problemas respiratórios incluindo a pneumonia e a traqueobronquite infecciosa.

Cães idosos e filhotes são os mais vulneráveis às doenças no outono, já que esses pets não têm a imunidade em pleno funcionamento. Os filhotes, por ainda não ter a imunidade totalmente formada, e os idosos, por contarem com uma diminuição na capacidade imunológica, que faz parte do processo de envelhecimento.

Então, o que pode ser feito para evitar que esses animais adoeçam? O mais importante e eficaz para prevenir doenças no outono é manter as vacinas em dia. Doenças como a Tosse dos Canis e a Gripe Canina (influenza) são altamente contagiosas e exigem uma atenção maior com a vacinação para proteção do . Para as doenças respiratórias, é preciso manter o aquecido com roupinhas e, se necessário, fazer o uso de aquecedores no ambiente. Evite correntes de ar e, caso o animal precise de banho, é importante lembrar de secar muito bem os pelos para evitar uma friagem.

Devemos também ter atenção com relação à pelagem dos animais, já que uma das finalidades dela é a do isolamento térmico. Sendo assim, com a diminuição da temperatura, a recomendação é não realizar a tosa para manter o pet aquecido e evitar as doenças respiratórias.

Diante disso, seguem algumas dicas para que seu pet passe pelo outono de forma tranquila e ainda aproveite uma das estações mais bonitas do ano. Confira:

  • É de extrema importância manter sempre em ordem as vacinas. Fique atento aos prazos;
  • Manter uma alimentação adequada e balanceada com produtos de qualidade;
  • Para que seu pet não sinta tanto a mudança climática, os passeios devem ser feitos em horários mais quentes do dia;
  • Uma vez que a tendência do ar é estar mais seco no outono, a hidratação deve ser uma prioridade no cuidado do pet;
  • É preciso dar uma atenção especial com a pele e pelagem, para evitar o ressecamento, o que aumenta o risco de dermatites e coceiras intensas. 

* René Rodrigues Júnior é médico veterinário da Magnus, fabricante de alimentos para cães e gatos

Continue Lendo

Pets

Dia Mundial do Gato: dicas e cuidados para quem quer ter um felino como bicho de estimação

Publicado

em

         *Por René Rodrigues Júnior

 

Comemorado no dia 17 de fevereiro, o Dia Mundial do Gato foi criado com o objetivo de promover uma campanha contra os maus tratos de felinos. De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para de Estimação (Abinpet), o país tem aproximadamente 22,1 milhões de gatos nos lares brasileiros.

 

Com o rápido desenvolvimento das cidades, as casas e apartamentos estão sendo construídos com metragens cada vez menores. Com isso, muitas pessoas que desejam ter um animal de estimação acabam optando pelo gato, que é considerado um animal mais tranquilo e que se adapta facilmente em pequenos locais. Porém, muitos acabam adquirindo um gato sem planejamento, até mesmo por conta do pensamento de que eles se viram sozinhos. É preciso preparar o lar para receber esse felino, além de conhecer as necessidades da espécie.

 

Uma das principais características do gato que é importante entender, é seu instinto de caçador, e a necessidade de repor as energias. Por isso, respeitar a hora de descanso do bichano é fundamental, já que ele chega a dormir uma média de 16h por dia. Além disso, ele é um animal territorial, ou seja, não faz questão de muita companhia e defende o local onde habita.

 

Para ter um gato feliz, é preciso realizar algumas adaptações na casa ou apartamento para que ela seja a mais atrativa possível para ele. Gato não é como cachorro, onde você joga um brinquedo e ele sai correndo para buscar, ou até mesmo que precise sair na rua para passear. Bastam 15 minutos de distração e brincadeiras para que o animal se dê por satisfeito.

 

Uma dica importante é com relação ao alimento, onde as pessoas costumam deixar disponível em potinhos pela casa. Porém, como o gato tem um instinto de caçador, é interessante criar uma certa dificuldade para que ele se alimente. O uso de comedouros inteligentes para gatos pode ajudar nessa questão e ainda ajuda na manutenção do peso.

 

Para aqueles gatos que são criados mais soltos, que transitam pela casa e pela rua, é importante ficar atento, pois podem acabar brigando com outros animais. O problema disso é que eles podem contrair alguma doença infectocontagiosa como a FIV (Aids felina) e a leucemia. Além disso, o gato pode trazer para dentro de casa ectoparasitas como as pulgas e carrapatos e acabar transmitindo algum tipo de zoonose para os seres humanos.

 

Um dos maiores tabus que envolvem os gatos é com relação ao medo da água, já que são conhecidos por não gostarem. Na verdade, os bichamos gostam de água, o que eles não gostam é de beber água. Para isso existe bebedouros estilo “fonte” que devido ao movimento da água estimula seu consumo.

 

Aproveite cada minuto ao lado do seu gato, pois ele é capaz de proporcionar momentos de pura alegria e tranquilidade. Cuide bem do seu amigo!

 

 

* René Rodrigues Júnior é médico veterinário da Magnus, fabricante de alimentos para cães e gatos

 

 

Continue Lendo
Publicidade

Facebook

Publicidade

Eventos

Próximos eventos

  1. Vale Music Fest 2019

    setembro 13 @ 20:00 - setembro 21 @ 23:30
  2. DJAVAN VESÚVIO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP)

    outubro 11 @ 21:00 - 23:30
Publicidade

Destaque

Pular para a barra de ferramentas