Conecte-se com

Esportes

Suíça: comemoração polêmica de Xhaka e Shaqiri na Copa pode ser punida pela Fifa; técnico reprova

Publicado

em

Quem assistiu ao jogo entre Suíça e Sérvia, na última sexta-feira, talvez tenha reparado algo em comum nos dois gols suíços: as comemorações de Shaqiri e ao anotarem os tentos da virada por 2 a 1, em Kaliningrado.

Ambos celebraram cruzando as mãos e entrelaçando os polegares. O sinal é uma referência à águia que integra a bandeira da Albânia, país que reconhece e apoia a existência do estado de Kosovo, que por sua vez trava uma disputa geopolítica justamente com os sérvios.

O problema é que agora os dois principais destaques da equipe europeia podem entrar na mira da .

Em seu código de leis do futebol, a entidade proíbe qualquer tipo de comemoração com referência política ou que inclua “gestos e/ou atos de provocação, ridicularização ou inflamação dos ânimos”, de acordo com a Ifab, entidade que controla as regras do esporte.

Portanto, Xhaka e Shaqiri podem ser punidos e multados nos próximos dias.

O próprio técnico da Suíça, por sua vez, disse que não gostou das celebrações de seus comandados e pediu que elas não se repitam.

“Nunca devemos misturar futebol e política. É bom sempre demonstrar respeito”, disse Vladimir Petkovic após a partida de sexta.

“É claro que as emoções vêm à tona após um gol. Mas acho que, tanto dentro quanto fora de campo, precisamos separar futebol da política e focar nesse esporte como algo que une as pessoas”, salientou.

Shaqiri, por sua vez, minimizou o fato

“No futebol, você tem muitas emoções envolvidas. E vocês podem ver que o que eu fiz foi apenas me deixar levar pela emoção”, afirmou, na zona mista.

“Fiquei muito feliz por marcar um gol importante. Só isso. Eu fiz (os gestos), todos viram e não temos mais que falar sobre isso”, finalizou.

Já o treinador da Sérvia, Mladen Krstajic, preferiu se abster de comentar.

“Não tenho comentários. Não lido com esse tipo de questão. Sou um cara do esporte, e continuarei a ser apenas isso”, bradou.

KOSOVO

A atitude dos dois destaques da Suíça tem explicação em suas famílias.

Os pais de Xhaka fugiram da região durante a guerra que decorreu do fim da Iugoslávia e a divisão de seu território em diversos Estados. Já Shaqiri nasceu em Gjilan, município do atual Kosovo.

O irmão de Xhaka, chamado Taulant, inclusive defende as cores da seleção albanesa. Já Shaqiri tem em suas chuteiras uma bandeira da Suíça e outra de Kosovo.

Tanto Kosovo quanto a Albânia vivem um diário confronto com a Sérvia. A região kosovar fazia parte do território sérvio até 2008, quando declarou sua independência de maneira unilateral e não reconhecida por diversos estados, dentre eles os adversários desta partida na Copa – mas apoiada pelos albaneses.

Oficialmente, quase 93% da população de Kosovo tem origem albanesa e os dois estados mantêm uma relação de proximidade e aliança, assim como traços culturais em comum.

Antes da partida, o atacante Mitrovic, da Sérvia, provocou Shaqiri, Xhaka e também Behrami por não defenderem a seleção que apoiam. Shaqiri respondeu em carta aberta à Fifa que não o faria por já ter defendido as cores suíças, enquanto Xhaka reafirmou seu desejo de defender o país de seus pais no futuro.

Após a partida, a repercussão nas redes sociais foi grande. O próprio presidente de Kosovo parabenizou os jogadores, bem como o chefe de gabinete do país, ambos por suas contas no Twitter. E mesmo antes da partida, uma imagem da bandeira kosovar junto com a suíça e contra a sérvia foi amplamente compartilhada.

O próprio camisa 10 postou no Stories de seu Instagram uma imagem celebrando: “Essa é para vocês”.

Publicidade
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esportes

Em comemoração ao dia do paraquedismo 27 pessoas saltam de ponte para quebrar recorde

Publicado

em

Por

Hoje (22), é o dia mundial do paraquedismo, a data é uma homenagem a Andrews Jacques Garverin, que em 1797 saltou de um balão e foi imortalizado como o primeiro ser humano a pular de paraquedas.

Em comemoração a essa data o paraquedista brasileiro Vagner Jorge, foi à Rússia e participou da quebra de um novo recorde mundial, em Sóchi. Com um grupo de 27 pessoas de diversas nacionalidades (Rússia, Estados Unidos, Brasil, Turquia, França, Inglaterra e Bielorrússia) Vagner, saltou de uma ponte fixa com 207 metros de altura.

Inicialmente seria um grupo com 28 pessoas, mas um russo teve problemas e o paraquedas abriu antes do salto. O local onde aconteceu o evento se chama SkyPark, é um grande ponto turístico da cidade de Sochi, que além da ponte onde foi quebrado o recorde mundial, tem uma tirolesa com 233 metros.

Um vídeo mostra o exato momento em que o grupo com 27 paraquedistas, batem o recorde pulando da ponte.

 

Sobre Vagner Jorge

Vagner passou por diversas modalidades esportivas, como supermoto, onde foi campeão brasileiro, muay thay e handebol. Mas o amor pelo paraquedismo foi maior e avassalador, fazendo que ele buscasse todos os caminhos para se profissionalizar dentro da área, sem imaginar o sucesso que faria nela.

Em 2015, iniciou seus trabalhos na Austrália como dobrador de paraquedas, entre um trabalho e outro, fazia saltos esporádicos, até atingir a quantidade necessária para se tornar instrutor de voo.

De lá para cá, foram feitos milhares de saltos em lugares remotos, montanhas, antenas e prédios ao redor do mundo. Atualmente, Vagner trabalha como instrutor em Boituva, interior de São Paulo. Lá faz um trabalho muito especial incentivando o esporte para todas as pessoas, não importando idade, classe social ou limitações físicas.

Nesta primeira quinzena de outubro, ele esteve em Moscou na Rússia, onde treinou num túnel de vento, que chega a atingir cerca de 450km/h, para aprimorar ainda mais seu voo.

Instagram: https://www.instagram.com/vagnerjorge

 

Foto Divulgação/Felipe Marchesi

Continue Lendo

Esportes

Vagner Jorge é Referência no Paraquedismo

Publicado

em

Por

A grande maioria das pessoas, desconhecem que o paraquedismo é um esporte e uma profissão. Focam apenas em achar que os profissionais que praticam essa modalidade, são só pessoas corajosas ou insanas.

O paraquedista, Vagner Jorge, tem ganhado bastante destaque na área com um trabalho motivacional, que leva as pessoas a confiarem mais em si, através da vivência de novas experiências, em momentos de aventura e superação.

Eu acredito que o paraquedismo é um esporte para todas as idades, uma prova disso foi uma senhora de 86 anos, surda que saltou comigo. Isso me marcou muito, pois pude ver que nunca é tarde para fazer o que se têm vontade, e se você tiver perseverança nenhuma limitação vai te impedir. Vagner Jorge

Vagner passou por diversas modalidades esportivas, como supermoto, onde foi campeão brasileiro, muay thay e handebol. Mas o amor pelo paraquedismo foi maior e avassalador, fazendo que ele buscasse todos os caminhos para se profissionalizar dentro da área, sem imaginar o sucesso que faria nela.

Em 2015, iniciou seus trabalhos na Austrália como dobrador de paraquedas, entre um trabalho e outro,  fazia  saltos esporádicos, até atingir a quantidade necessária para se tornar instrutor de voo.

De lá para cá, foram feitos milhares de saltos em lugares remotos, montanhas, antenas e prédios ao redor do mundo. Atualmente, Vagner trabalha como instrutor em Boituva, interior de São Paulo. Lá faz um trabalho muito especial incentivando o esporte para todas as pessoas, não importando idade, classe social ou limitações físicas.

Nesta primeira quinzena de outubro, ele está em Moscou na Rússia, onde treina num túnel de vento, que chega a atingir cerca de 450km/h, a fim de aprimorar seu voo. Nos próximos dias, Vagner se dirige para Sóchi, onde tentará quebrar um recorde, junto a um grupo de 27 amigos. Eles querem ser o maior número de pessoas a saltarem de uma ponte ao mesmo tempo. O recorde atual é de 26 pessoas.

Sobre o Paraquedismo

A prática do paraquedismo é muito antiga, os primeiros registros que se tem, são de 1306 D.C., onde acrobatas chineses saltavam de muralhas com um dispositivo que amortecia a chegada ao solo.

No Brasil o esporte se tornou conhecido com Charles Astor, que lecionou um curso em 1931, no Aeroclube de São Paulo, e até hoje é reverenciado como um dos maiores incentivadores da prática em solo brasileiro.

Siga Vagner no Instagram:

https://www.instagram.com/vagnerjorge

Continue Lendo

Esportes

Diretoria do La Coruña convida o advogado Dr. Jorge Sanchez para conhecer as instalações do clube espanhol

Publicado

em

Por

Dr. Jorge Sanchez, sócio-fundador do escritório Sanchez e Sanchez Sociedade de Advogados, esteve no estádio Riazor, do La Coruña , na Espanha, a convite da diretoria do clube de futebol espanhol por meio do ex-jogador Mauro Silva, que foi campeão do mundo com a seleção brasileira na de 1994 nos EUA, e foi recebido por Francisco Paco Zás, presidente da equipe espanhola.

Durante a visita as instalações do clube, o advogado que atua na área empresarial, atendendo as principais instituições financeiras do Brasil, assistiu ao jogo La Coruña  x Almería ao lado do ex-jogador, o também brasileiro Donato, que atuou na equipe por mais de 10 anos e acabou se naturalizando espanhol, defendendo a seleção da Espanha.

Tanto Mauro Silva como Donato são reverenciados no clube espanhol até hoje, além de outros brasileiros que brilharam no Deportivo como Bebeto, Djalminha, Luizão, Rivaldo, entre outros.

“Quero agradecer a receptividade e o convite e dizer que na Espanha, já tenho um clube de coração: o La Coruña“, revela Dr. Jorge Sanchez.

Continue Lendo
Publicidade

Facebook

Eventos

Publicidade

Destaque

Pular para a barra de ferramentas